Login para sua conta

Usuário *
Senha *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com asterístico (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Repetir senha *
E-mail *
Repetir e-mail *
Captcha *
Reload Captcha

TRE cassa mandato do deputado Max da AABB por compra de votos durante campanha eleitoral Destaque

O Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE-AP) cassou o mandato do deputado estadual Max da AABB (Solidariedade) por compra de votos em Macapá Santana durante eleições de 2018. O julgamento ocorreu em sessão virtual realizada nesta terça-feira (29). A sentença cabe recurso.

A defesa do deputado negou a prática do crime eleitoral e declarou que vai recorrer da decisão.

A ação com pedido de cassação do deputado estadual foi protocolada em 2018 pelo Ministério Público (MP) Eleitoral. No texto do documento, consta que Max da AABB comprou votos e prometeu em troca o repasse de dinheiro, remédios e materiais de construção.

Segundo o MP Eleitoral, o esquema foi descoberto um dia antes da eleição daquele ano, durante uma blitz de fiscalização. O órgão afirma ainda, que em parceria com a Polícia Militar (PM), encontrou num veículo material de campanha do deputado, listas de eleitores e números de títulos, além de anotações com valores e produtos que deveriam ser entregues.

O advogado do deputado, Marlos Gonçalves, alegou que houve falhas no procedimento adotado durante a investigação do MP Eleitoral.

"O procedimento tem algumas falhas no início e na sua conclusão, inclusive a principal testemunha que deveria ser ouvida não foi ouvida no processo. A forma como foi adotado o procedimento não caracteriza a compra de votos como levantado", afirmou.

Ao ser questionado sobre o dia em que houve a blitz descrita pelo MP, Gonçalves enfatizou que as anotações de ambas as pessoas citadas como cabos eleitorais não tinham ligação com o deputado Max.

"Haviam algumas anotações pessoais que é a principal testemunha do MP, que seriam anotações de cunho pessoal e estavam na agenda dele com conteúdo eleitoral. A moça que estava com ele no carro tinha algumas anotações porque ela trabalhava com outro candidato que não foi eleito, e não faz parte da nossa equipe, então a gente nega a compra de votos", disse o advogado.

A defesa informou que irá recorrer da decisão após a publicação do acórdão e em seguida, entrará com recurso junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com pedido liminar de manutenção do deputado estadual no exercício do cargo.

Avalie este item
(0 votos)
Última modificação em Quarta, 30 Junho 2021 13:19

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Tendências

Tweets Recentes

Peixe boi evoluído e já saindo da água. https://t.co/Rlxgs7VkKU
Auditoria nas contas da Seguradora Líder, responsável pela gestão do seguro DPVAT, questionou uma série de procedim… https://t.co/CUEoWfoDZ6
Sapo mesmo ou Rãs? https://t.co/9soFgxgFr5
Follow Juliano Cunha on Twitter

Foto Notícias

Programa Mais Visão chega ao vale do Jari

Em Laranjal do Jari, Passarelas são construída para população

Novo Bolsa Família terá valor médio de “no mínimo R$ 300”, diz Bolsonaro

Temporal com chuvas e ventania inundam casas e derrubam árvores em Laranjal do Jari

Covid-19: Laranjal do Jari vacina para população acima de 25 anos

Defesa Civil Nacional vai repassar quase R$ 2 milhões para municípios do sul do estado afetados pelas cheias do rio Jari.

Casa pega fogo em Laranjal do Jari

Homem é preso apos agredir ex namorada em Laranjal do Jari

Adolescente escreve carta para denunciar abusos sexuais do padrasto em Laranjal do Jari